Água: bem vital para a nossa sobrevivência

A água é um recurso essencial para a vida de todas as espécies, estando distribuída na natureza em todos os ambientes da Terra e em diferentes estados físicos, formando um sistema dinâmico e contínuo de precipitação, infiltração e evaporação.

Mas como ela se distribui por nosso planeta? Veja a seguir:


Ciclo Hidrológico

O ciclo hidrológico regula a circulação da água no planeta e sua distribuição na biosfera.

É o sistema pelo qual a natureza faz a água circular do oceano para a atmosfera e daí para os continentes, de onde retorna, superficial ou subterraneamente, ao oceano.

Esse ciclo é governado no solo e subsolo pela ação da gravidade, bem como pelo tipo e densidade de cobertura vegetal; e na atmosfera e superfícies líquidas (rios, lagos, mares e oceanos) é governado pelos elementos e fatores climáticos, como, por exemplo, temperatura do ar, ventos, umidade relativa do ar e insolação, que são os responsáveis pelos processos de circulação da água dos oceanos para a atmosfera em uma dada latitude terrestre.

(Feitosa A.C. Fernando, Manoel João, CPRM/UFPE, Hidrogeologia, Conceitos e Aplicações,2008).

Ciclo Hidrológico
Ciclo Hidrológico

O Ciclo Hidrológico e a Água Mineral

A água subterrânea é consequência da infiltração da água proveniente de precipitações atmosféricas por espaços abertos em rochas cristalinas e cársticas ou pela porosidade existente nos depósitos sedimentares.

A formação geológica que tem capacidade de armazenar e transmitir água é denominada aquífero. No processo de percolação no solo, a água sofre tanto um processo de filtração natural de suas eventuais impurezas, quanto um enriquecimento em compostos químicos proveniente da sua interação com os minerais constituintes das rochas. Esse processo de percolação confere então às águas subterrâneas características químicas e físico-químicas que as diferenciam das demais águas, tanto por seu grau de pureza quanto pela sua composição química.

Podemos dizer assim que as águas minerais são casos particulares de águas subterrâneas, uma vez que essa é a sua origem comum. O que as caracteriza como águas minerais é a sua composição química e físico-química, decorrente tanto do material da rocha e/ou do solo pela qual passa ou é armazenada quando do tempo de percolação e/ou armazenamento. Então, a depender da profundidade e do tempo de percolação e/ou de armazenamento na rocha, as águas minerais se enriquecem em determinados constituintes.


Águas Subterrâneas: o que são?

Apesar de as águas subterrâneas serem águas de subsuperfície, na conceituação hidrogeológica são aquelas que circulam na "zona saturada", ou seja, abaixo do nível freático, representando 21% do total da água doce do planeta ou 97% da água doce não congelada (Dunne e Leopold, 1978).


Ciclo Hidrolégico
Distribuição vertical da água em subsuperfície (TEIXEIRA, W. et al., 2000)
em Geodiversidade do Brasil, Cap.4
(Frederico Peixinho e Fernando Feitosa, 2008)

A Água Subterrânea e a Geologia

Em um sistema geológico, a natureza e a distribuição dos aquíferos e aquitardes são controladas pela litologia, estratigrafia e estrutura das formações geológicas.

A litologia trata da composição mineral, da distribuição de tamanho dos grãos e do grau de compactação dos sedimentos ou rochas constituintes do arcabouço geológico.

A estratigrafia descreve as relações geométricas e cronológicas entre os vários elementos constituintes do sistema geológico, tais como lentes, camadas e formações de origem sedimentar.

A estrutura diz respeito às características geométricas produzidas no sistema geológico por deformação, após deposição ou cristalização, como é o caso de juntas, fraturas, falhas e dobras.

Água Subterrânea em Sedimentos Inconsolidados

Vantagens em função do aproveitamento:

  • São fáceis de perfurar ou escavar, o que torna a investigação rápida e menos onerosa.
  • São geralmente encontrados em vales e em áreas onde os níveis da água subterrânea são poucos profundos, possibilitando o bombeamento com pequenos recalques.
  • Situam-se, normalmente, em locais favoráveis à recarga a partir de rios, riachos, lagoas e até mesmo da infiltração da água da chuva.

Água Subterrânea em Rochas Sedimentares (Aquíferos Sedimentares)

Os arenitos formam aquíferos regionais que armazenam grandes quantidades de água potável. Normalmente apresentam porosidades mais baixas do que as areias pouco consolidadas, devido à compactação e cimentação de parte dos vazios existentes entre os grãos.

Água Subterrânea em Rochas Carbonatadas (Aquíferos Carsticos)

As rochas carbonáticas apresentam significativa condutividade hidráulica secundária produzida por fraturas resultantes de movimentos tectônicos, ao longo dos quais a circulação de água subterrânea atua dissolvendo a calcita e a dolomita, formando os aquíferos cársticos.

Água Subterrânea em Rochas Ígneas e Metamórficas (Aquíferos Fissurais ou Fraturados)

Possuem porosidade e permeabilidade primárias - amostras sólidas e não fraturadas de rochas ígneas e metamórficas. As porosidades são praticamente nulas. A água nessas rochas é armazenada e transmitida pelas fissuras (ou fraturas).


Saiba mais sobre os temas abordados acima:

Ciclo Hidrológico

Encontre informações adicionais sobre este mecanismo que assegura a vida na Terra

Águas Subterrâneas

Consulte a Agência Nacional de Águas - ANA e aprofunde seus conhecimentos

Aquíferos

Entenda melhor essa formação geológica que armazena e transmite água

Hidrogeologia: conceitos e aplicações

FEITOSA, Fernando; MANOEL FILHO, João; FEITOSA, Edilton Carneiro; DEMETRIO, José Geilson A (2008). Formato PDF.

Águas Subterrâneas: Um Recurso

Adriana Niemeyer Pires Ferreira, Cláudia Ferreira Lima, Fabrício B. da Fonseca Cardoso, Júlio Thadeu Kettelhut. Brasília (2007). Formato PDF.

Geoquímica das Águas

Reações Químicas e Características das Águas Subterrâneas. Autora: Maria Szikszay. Formato PDF.

História da Água no Brasil

A História do Uso da Água no Brasil - do Descobrimento ao Século XX. Formato PDF.